Endometriose – sempre um desafio

Passada a semana, faço uma pausa e reflito sobre os últimos dias que se passaram.

Endometriose - sempre um desafio

Dedico uma atenção especial para quatro pacientes que foram submetidas à cirurgia de endometriose.

Apesar de todas terem o mesmo diagnóstico, as manifestações e o quadro clínico eram completamente diferentes, variando de endometriose superficial, passando por endometrioma ovariano e em duas delas o que chamamos de endometriose profunda, com comprometimento intestinal.

Em comum apenas a queixa de dor pélvica, progressiva e que vinha ficando mais frequente.

O diferente nesta história toda foi que nas quatro mulheres em questão, foram quatro tratamentos diferentes, o que me leva a confirmar o clichê que em medicina “cada caso é um caso”.

Esta situação, de individualização do tratamento, tem sido um fator complicador num primeiro momento para as pacientes. Com a Internet e o Google, as buscas fazem parte do cotidiano dos pacientes. Nós médicos sabemos disto.

Mas o que vejo é que as pesquisas começam num primeiro momento como curiosidade. Após alguns minutos tal curiosidade já se torna um pânico.

As pacientes já chegam assustadas no consultório.

Ainda em outros dois casos fizemos o diagnóstico de gravidez tubárea, complicação que acontece com maior frequência em portadoras de endometriose.

Ambas tiveram que ser operadas também e felizmente passam bem.

Como o diagnóstico foi precoce, graças à combinação de beta- hCG e ultra sons seriados, o tratamento cirúrgico foi conservador e as tubas uterinas mantidas.

Nos últimos dez anos posso afirmar também que houve sensível melhora nos métodos diagnósticos e no instrumental cirúrgico, possibilitando tratamentos mais precisos e resolutivos.

Temos conseguido bons índices de cura já na primeira cirurgia. Como em outras questões da vida, um bom planejamento pré-operatório faz tudo ficar mais fácil, para o médico e para a paciente.

Resumindo: a evolução da medicina tem possibilitado ótimas alternativas para mulheres com endometriose, aumentando o leque de opções do tratamento e permitindo que possam levar sua vida plenamente. A individualização do tratamento  de acordo com o objetivo da mulher deve ser tratada antes para evitar  mal entendidos.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Você tem dúvidas sobre ginecologia e/ou obstetrícia?

Escreva-nos! Suas informações são sigilosas e protegidas.

Utilize seus dados verdadeiros, para que possamos responder seu contato.

Leia também.

Iniciar conversa!
1
Podemos lhe ajudar?
Olá. Podemos te ajudar?