Sarampo em São Paulo e seus sintomas

Sarampo em São Paulo e seus sintomas

Sarampo em São Paulo e seus Sintomas
Sarampo em São Paulo e seus Sintomas

Como vocês sabem,  atualmente a cidade de São Paulo enfrenta um aumento expressivo dos casos de sarampo, colocando em alerta toda a população.

O sarampo é uma doença viral aguda, altamente contagiosa, que cursa com febre, tosse, coriza, conjuntivite.

Era até pouco tempo uma doença que pensávamos estar sob controle.

Mas em 2019 ficou caracterizado surto em todo estado de São Paulo.

Pode evoluir com complicações entre crianças menores de cinco anos de idade, sobretudo nas desnutridas, em adultos maiores de 20 anos, em indivíduos com imuno depressão ou em condições de vulnerabilidade e gestantes.

Sarampo em São Paulo

A transmissão é direta de pessoa a pessoa, por meio das secreções expelidas pelo doente ao tossir, respirar, falar ou espirrar e que permanecem dispersas no ar, principalmente em ambientes fechados.

As pessoas infectadas são geralmente contagiosas cerca de 6 dias antes do aparecimento da erupção cutânea até 4 dias depois. Os sintomas aparecem em média de 10-12 dias desde a data da exposição.

A vacina tríplice viral (SCR) é a medida de prevenção mais eficaz contra o sarampo, protegendo também contra a rubéola e a caxumba.

As gestantes não devem receber a vacina, pois a mesma é compostas de vírus vivos atenuados.

Nos últimos meses a vida das gestantes não tem sido fácil.

A sorologia de sarampo, que não constava na minha rotina de pré natal, passou a constar.

As gestantes já imunes ficaram mais tranquilas.

E as que não apresentavam imunidade e portanto corriam risco de adquirir a doença passaram a tomar cuidados extras.

No período pós parto a vacina pode ser realizada sem necessidade de interrupção da lactação.

Medidas de Bloqueio em contactantes de caso suspeito ou confirmado de sarampo:

Vacina: A vacinação de bloqueio tem por objetivo aumentar rapidamente a imunidade e deve ser administrada preferencialmente até 72 horas após a contato.

Imunoglobulina é indicada em pacientes com contra-indicação a vacinação: GESTANTES, menores de seis meses e imunocomprometidos. O objetivo é prevenir ou atenuar a doença.

Gostou? Compartilhe!

Compartilhar no facebook
Facebook
Compartilhar no google
Google+
Compartilhar no twitter
Twitter
Compartilhar no linkedin
LinkedIn

Você tem dúvidas sobre ginecologia e/ou obstetrícia?

Escreva-nos! Suas informações são sigilosas e protegidas.

Utilize seus dados verdadeiros, para que possamos responder seu contato.

Leia também.

Iniciar conversa!
1
Podemos lhe ajudar?
Olá. Podemos te ajudar?