Endometriose é uma doença que causa dor pélvica e dificuldade para engravidar.

Endometriose. Dor pélvica e dificuldade para engravidar.

Endometriose. Dor pélvica e dificuldade para engravidar. Como  sabemos, endometriose é uma doença que causa dor pélvica e dificuldade para engravidar. Atinge basicamente mulheres em seu período reprodutivo.

Endometriose. Dor pélvica e dificuldade para engravidar.
Endometriose. Dor pélvica e dificuldade para engravidar.

Ao longo dos meus anos de prática médica sempre digo que houve grande mudança na maneira de se fazer o diagnóstico da doença e de instituir o melhor tratamento. O que é muito bom . À medida que a medicina avança, o cuidado com os pacientes também melhora, naturalmente.

O mais importante no entanto é que pelo menos  80% das mulheres que tem o diagnóstico de endometriose conseguem gestação em algum momento da  vida, o que é ótimo !

Mas conseguir engravidar não resolve todo o  problema.

Recente pesquisa publicada em revista médica  procurou relacionar histórico de endometriose com  eventuais complicações na gravidez.

Este estudo foi feito nos Estados Unidos  com grande número de mulheres. O diagnóstico de endometriose foi feito durante a laparoscopia.

Endometriose. Dor pélvica e dificuldade para engravidar.

E os resultados foram surpreendentes. As mulheres que tiveram diagnóstico de endometriose apresentaram maior risco de apresentar:

  • abortamento espontâneo.
  • gravidez ectópica ( fora da cavidade uterina).
  • pré-eclampsia  ( doença própria da gestação que se manifesta entre outros por aumento da pressão arterial).
  • Diabetes gestacional.

Não há uma única explicação para o fato. Mas algumas teorias como  diminuição da produção de progesterona, dano ao óvulo e aumento de processo inflamatório local são interrogadas.

A importância deste estudo está no fato que não basta para o médico ajudar a paciente a conseguir engravidar. Mulheres com endometriose, quando grávidas, constituem um grupo de risco para outras doenças durante o pré natal e devem ser acompanhadas com muita atenção.

Outro detalhe que percebo na minha prática: como eventualmente já houve certa dificuldade em engravidar, as pacientes não lidam bem com a frustração de algo ir errado no pré-natal. O que de certa forma atrapalha um pouco a relação médico paciente.

Enfim, o desafio não termina com  teste de gravidez positivo.

 

Endometriose

Endometriose – sempre um desafio

Passada a semana, faço uma pausa e reflito sobre os últimos dias que se passaram.

Endometriose - sempre um desafio

Dedico uma atenção especial para quatro pacientes que foram submetidas à cirurgia de endometriose.

Apesar de todas terem o mesmo diagnóstico, as manifestações e o quadro clínico eram completamente diferentes, variando de endometriose superficial, passando por endometrioma ovariano e em duas delas o que chamamos de endometriose profunda, com comprometimento intestinal.

Em comum apenas a queixa de dor pélvica, progressiva e que vinha ficando mais frequente.

O diferente nesta história toda foi que nas quatro mulheres em questão, foram quatro tratamentos diferentes, o que me leva a confirmar o clichê que em medicina “cada caso é um caso”.

Esta situação, de individualização do tratamento, tem sido um fator complicador num primeiro momento para as pacientes. Com a Internet e o Google, as buscas fazem parte do cotidiano dos pacientes. Nós médicos sabemos disto.

Mas o que vejo é que as pesquisas começam num primeiro momento como curiosidade. Após alguns minutos tal curiosidade já se torna um pânico.

As pacientes já chegam assustadas no consultório.

Ainda em outros dois casos fizemos o diagnóstico de gravidez tubárea, complicação que acontece com maior frequência em portadoras de endometriose.

Ambas tiveram que ser operadas também e felizmente passam bem.

Como o diagnóstico foi precoce, graças à combinação de beta- hCG e ultra sons seriados, o tratamento cirúrgico foi conservador e as tubas uterinas mantidas.

Nos últimos dez anos posso afirmar também que houve sensível melhora nos métodos diagnósticos e no instrumental cirúrgico, possibilitando tratamentos mais precisos e resolutivos.

Temos conseguido bons índices de cura já na primeira cirurgia. Como em outras questões da vida, um bom planejamento pré-operatório faz tudo ficar mais fácil, para o médico e para a paciente.

Resumindo: a evolução da medicina tem possibilitado ótimas alternativas para mulheres com endometriose, aumentando o leque de opções do tratamento e permitindo que possam levar sua vida plenamente. A individualização do tratamento  de acordo com o objetivo da mulher deve ser tratada antes para evitar  mal entendidos.